A ascenção do U.S. Girls em In a Poem Unlimited

Meg Remy não é uma nenhuma iniciante no meio musical. São pouco mais de dez anos à frente do U.S. Girls, projeto que tocou solitariamente até um contrato com a 4AD Records em 2015, com o lançamento de Half Free, numa parceria que expandiu o trabalho da americana não só colaborativamente, já que o projeto ganhou corpo com a formação de uma banda propriamente dita, mas que também alçou e poliu os temas e estilos dessa obra a um degrau criativo que era inédito até então.

Em In a Poem Unlimited, seu mais novo disco, Remy, que poderia facilmente ter partido e ampliado essa mesma atmosfera pop intrincada e raivosa que funcionou perfeitamente em outrora, curiosamente escolhe romper com as escolhas mais cacofônicas do disco passado em prol de uma perspectiva mais fluída, acessível e dançante. Se antes os elementos do som do U.S. Girls passeavam pelo noise pop, em faixas como Damn the Valley, agora as referências parecem muito mais próximas da música disco e dance, ainda que vistos sob um viés nada óbvio e bem particular.

Às vezes essa variação de elementos da música pop soa etérea, como em Rosebud, a cereja do bolo do disco, onde uma ambientação eletrônica contrasta com o sample de um violino sintetizado, numa canção sorumbática e sadomasoquista sobre o fim de um relacionamento, em outras, brinca deliberadamente com referências atuais e antigas do gênero. Poem, por exemplo, parece o encontro entre os sintetizadores flutuantes do Body Talk da Robyn com a Kylie Minogue do clássico Fever, enquanto Velvet 4 Sale e Incidental Boogie soam como os momentos mais cintilantes do Bowie nos seus trabalhos próximos da disco music.

É curioso notar também em In a Poem Unlimited, um avanço nos tópicos políticos que até apareciam de forma recorrente no trabalho anterior da compositora, mas que aqui são dispostos de modo muito mais direto e congruente no seu discurso, certamente pela inquietação que acomete o meio artístico desde o final de 2016, com a eleição de Trump e a ascensão do movimento #MeToo no último ano. O disco se inicia com um dos seus versos mais poderosos, you’ve been sleeping with one eye open, ‘cause he always could come back, ya know?’, na inaugural Velvet 4 Sale, uma canção lida ao mesmo tempo com a vulnerabilidade da mulher, com empoderamento e também uma pulsão que é tanto intrínseca quando histórica de vingança. 

Faixa a faixa, Remy cria um panorama complexo e cheio de observações pungentes sobre a experiência feminina no mundo. São crônicas como Pearly Gates, onde uma garota negocia sexualmente sua entrada no paraíso, num comentário sobre o abuso de poder que os homens sempre exerceram sobre as mulheres no curso da história. Ou mesmo na polêmica M.A.H., sigla para Mad As Hell, uma crítica muito particular que a cantora parece ter sobre os avanços que foram prometidos e não cumpridos pelo governo do presidente Barack Obama durante seu mandato. Uma observação que à primeira vista soa como fora de lugar, principalmente ao se levar em conta o delicado momento que os Estados Unidos passam ao ser governados por um líder político tão instável e perigoso, mas que são pertinentes numa esfera de autocrítica que visa o progresso.

Num escopo temático, é um alívio encontrar uma artista com predisposição de debater pontos relevantes sem a empáfia e auto-importância que tanto acomete inúmeras tentativas parecidas de pensar a América pós-Trump nos últimos tempos. Mudanças de postura são necessárias, afinal. Essa é uma boa síntese da carreira do U.S. Girls nos últimos dez anos. Um projeto que eu espero que esteja sempre em constante movimento.

(Reprodução)

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *