A Escola de Atenas é uma das obras mais impressionantes que já vi com meus próprios olhos. Não digo isso pelo seu robusto tamanho, ocupando quase que uma parede inteira de uma das salas do Museu do Vaticano. Quando o visitei, em Roma, e me deparei com esta pintura, eu me emocionei. E como já escrevi em outro post, arte é aquilo que nos toca, podendo ser um mictório descontextualizado ou um quadro na parede do museu. E esta obra sempre foi especial para mim.

Estudei filosofia desde a graduação, paixão esta que foi levada até o mestrado, momento que estudei de forma mais aprofundada o tema. Por isso, entrei em contato com esta obra em diversos momentos da minha vida acadêmica, algumas vezes porque algum professor comentou sobre ela, nas muitas outras vezes a procurei para saber mais sobre ela mesma e seus temas.

A Escola

A Escola de Atenas ocupa uma das paredes do que era a biblioteca e escritório do Papa Júlio II no Palácio Apostólico do Vaticano. Nas quatro paredes do cômodo, há um afresco de Raffaelo Sanzio, conhecido entre nós, brasileiros, como simplesmente Rafael.

Cada afresco simboliza quatro temas: Filosofia, Teologia, Poesia e Direito. Além disso, existe o assunto que conecta estes quatro temas, que é o equilíbrio entre cultura clássica e a cultura da época na busca pela verdade. O quadro que representa a Filosofia e a verdade racional é a Escola de Atenas. O que representa a teologia e a verdade sobrenatural é o Disputa do Santíssimo Sacramento. A representação da Poesia e da verdade bela é Parnaso com Apolo e as Musas. Por fim, o que representa o Direito e o bem é o afresco Virtudes.

Fotografia Escola de Atenas
Tirei esta foto no Museu do Vaticano para tentar mostrar a perspectiva que existe na pintura © Bernardo Supranzetti – Todos os direitos reservados

Considera-se estas quadro pinturas as principais de Rafael e A Escola de Atenas uma das mais importantes do Renascimento, justamente por representar esta recuperação do clássico e a busca por novas verdades, elementos característicos deste período.

Rafael pintou esta obra com apenas 21 anos e mesmo com essa idade já era considerado um dos grandes artistas da época. Para termos uma ideia, ele era comparado a Leonardo da Vinci, que tinha 52 anos e a também Michelangelo, que tinha 29 anos e estava pintando a sala ao lado da de Rafael durante o mesmo período. Este ambiente nada mais é que a Capela Sistina.

Dado o devido contexto para a obra, vamos a sua análise!

Para fazer este estudo, utilizei de um livro presenteado por um amigo e de anotações que fiz das aulas que participei e que este afresco foi analisado.

Lhes apresento A Escola de Atenas:

The School of Athens Photo
Reprodução

Para qualquer análise desta obra, é necessário entender antes quem são todos os personagens. Faremos isto, mas não neste momento. Primeiro, tente absorver as primeiras impressões que esta pintura lhe traz.

Feito isso, vamos entender uma sensação que quase todos tem ao observar A Escola de Atenas, que é a de achar esta obra profunda – não no sentido metafórico, mas no sentido literal. Rafael pintou em uma parede reta de um cômodo, mas mesmo assim, as pilastras e estilo arquitetônico da Escola nos surpreende. Surpreendeu inclusive o próprio Papa, que nomeou Rafael como arquiteto papal após a morte de Bramante, que possui seu estilo homenageado nesta obra.

O cenário retratado é imaginário, mas toda sua magnificência é expressão de uma vontade compartilhada pela maioria dos artistas da Alta Renascença, que é mostrar valores sobre-humanos. Vale notar que o afresco está em uma altura que fica acima de nossas cabeças e podemos notar isso pela porta localizada no canto esquerdo da última imagem. Claro que Rafael levou isso em consideração, já que quando estamos no cômodo, a impressão é que a Escola é realmente enorme.

Os personagens

São muitos os personagens retratados na Escola de Atenas, iremos tratar sobre todo o conjunto na conclusão do texto, por agora, começaremos pelas estátuas localizadas em cada canto do afresco.

Apollo School of Athens

A estátua da esquerda é Apolo, deus da música (por isso a lira) e da luz. Representa a iluminação do conhecimento, do esclarecimento filosófico e do poder civilizatório da razão.

Athena School of Athens

A estátua da direita é Minerva ou Atena para os gregos. Ela é a deusa da sabedoria, que preside a paz e a defesa. Esta é uma personagem comum nas representações de instituições dedicadas à busca do conhecimento e da realização artística.

As duas estátuas é a porta de entrada desta escola, representando a própria Filosofia e sua importância para o mundo.

Agora, vamos setorizar os grupos de personagens, começando pelos cantos e terminando a análise dos personagens pelos que estão no centro do afresco, porque o legal é deixar o melhor para o final!

No extremo do canto esquerdo podemos ver uma cena interessante:

Epicurus and Zeno School of Athens

O homem de barba branca, que está um pouco escondido, é Zenão de Cítio, fundador da escola filosófica estoica, aquela que busca uma vida plena de virtude. O outro homem, que parece estar escrevendo em um livro é Epicuro, um dos filósofos gregos mais importantes do período helenístico.

É ele mesmo que falava da ataraxia e da aponia das aulas de filosofia do colégio. Em resumo, sua filosofia focava na busca da felicidade, afastando-se das dores e se aproximando do prazer.

Ao lado desses dois filósofos, temos mais personagens importantes da Filosofia:

Pythagoras School of Athens

O homem de amarelo que parece copiar as anotações do outro é uma incógnita, podendo ser Boécio ou Anaximandro. A dúvida existe porque sabemos que esta é uma escola atemporal, tendo personagens de diversas épocas. Vamos entender melhor sobre isso mais para o final do texto.

É bem provável que este seja Anaximandro, já que ele foi um importante matemático, além de filósofo. Sua relevância para a Filosofia é maior do que a de Boécio, já que foi ele que definiu que o fim de tudo era o ápeiron, que é a matéria infinita primordial de todas as coisas.

O homem de verde que parece bisbilhotar é Averróis, um filósofo árabe importante por ser um dos principais comentadores de Aristóteles e por ter sido um dos responsáveis para os textos do grande filósofo grego voltarem para a Europa.

Já o homem vestido com panos brancos é nada mais e nada menos que Pitágoras, responsável por criar um dos primeiros teoremas que nós aprendemos nas aulas de geometria. A lousa provavelmente representa uma de suas teorias que unia os números com a música, já que ele está mostrando a a harmonia de um diapasão musical.

Ao lado deste grupo, vemos mais três pessoas que se destacam:

Parmenides School of Athens

No canto, vestida de branco, é uma mulher que não se sabe ao certo quem é. Muitos dizem que Rafael pintou diversas personagens da contemporaneidade neste afresco, outros colocam que aí estão apenas aqueles que foram importantes para a Filosofia. Por isso, alguns dizem que esta poderia ser a amante e principal modelo de Rafael, Margarita Luti. Gosto mais da ideia que esta seja Hipátia de Alexandria, a primeira mulher matemática do ocidente. Ela também foi chefe da escola platônica de Alexandria.

Ao seu lado direito está outro filósofo importante da Grécia: Parmênides. Seus primeiros estudos filosóficos foram na escola pitagórica, o que explica ele estar atento em Pitágoras. Sua única obra que chegou até os nossos dias, fragmentada, chamada “Sobre a natureza”, um poema que descreve o caminho da verdade e o caminho da opinião.

Sentado em um dos degraus da Escola é Heráclito. Alguns dizem que este pode ser Michelangelo, mas ainda prefiro ficar com a ideia de que Rafael pintou apenas aquelas personalidades vinculadas à Filosofia, não necessariamente apenas da Grécia Antiga. Heráclito é considerado o pai da dialética, que é um método cujo o objetivo é contradição de ideias que origina outras ideias. Foi contra a preposição de Parmênides, dizendo que vivemos em um mundo onde tudo flui e que as coisas não são imoveis e o ser é uno e eterno.

Acima, estão personagens importantes e muito conhecidos.

Socrates School of Athens

A figura da esquerda é o que parece estar com as vestimentas mais distintas às outras da Escola de Atenas. Vestido com roupas de guerra, este talvez seja o personagem que mais dúvida tem sobre sua identidade. Nesse caso, vale falar das três possibilidades: a primeira é que seja Péricles, o famoso político grego que sempre é representado com um elmo, importantíssimo para a criação do conceito de Democracia.

Outra possibilidade é que ele seja Alcibíades, também político grego, amigo pessoal de Sócrates e personagem de dois diálogos de Platão. Por fim, existe uma ideia de que este seja Alexandre, o Grande, o famoso general que conquistou boa parte da Europa, Ásia e norte da África. Ele era discípulo de Aristóteles, razão para qual Rafael poderia ter o representado na Escola de Atenas.

Ao seu lado está um homem que pode ser Xenofonte ou Antístenes. Ambos foram discípulos de Sócrates. Este último é considerado fundador da filosofia cínica e Xenofonte é conhecido pelos seus escritos históricos do período que viveu.

Com vestimentas verdes e azuis é Ésquines Socrático ou Ésquines de Esfeto. Se tornou discípulo de Sócrates ainda na juventude e esteve presente no julgamento e execução do grande filósofo grego.

Por fim, o homem de vestes esverdeadas e de barba não poderia ser outro… Já sabe quem é? Ele mesmo! Sócrates!

Falamos aqui de diversos de seus discípulos, estava restando, nesse pequeno grupo, o próprio filósofo. Considerado um dos principais fundadores da filosofia ocidental, ainda é um personagem enigmático para muitos, já que apenas o conhecemos por textos de outros autores. Precisaríamos de muito tempo para explicar toda sua filosofia, mas o importante por agora é saber que ele está representado na Escola de Atenas.

Agora caminhando para o extremo direito do quadro, veremos mais personalidades. O grupo recortado aqui é um dos mais interessantes do afresco:

Raphael School of Athens

Começando pelo sujeito de branco, próximo da pilastra, é Protógenes, um pintor da Grécia Antiga. Há dúvidas que ele também possa ser Il Sodoma ou Timoteo Viti. Todos eles também foram pintores, mas cada um em sua determinada época. O que me faz crer que este seja o pintor grego é por causa de toda a temática da pintura.

De costas e de amarelo é Ptolomeu. Por mais que não conseguimos ver o seu rosto, ele carrega um globo, aumentando as suspeitas que seja o famoso cientista nascido em Alexandria. Ptolomeu é importante para o ocidente por ser um dos primeiros a registrar os movimentos celestes. Também foi um cartógrafo, produzindo mapas das regiões gregas, egípcias e onde se encontra hoje boa parte do Oriente Médio. O que impressiona é ele ter realizado esses feitos em pleno século II.

De vermelho e desenhando uma lousa com um compasso é Euclides. Considerado o “pai da geometria”, foi um dos primeiros gregos a escrever sobre formas geométricas, noções de perspectiva, teoria dos números e muitos outros conceitos matemáticos. Por este sempre ser representado com um compasso, creio que a probabilidade desse personagem ser Euclides é alta. Digo isso porque há outras duas possibilidades de quem pode ser este homem.

Uma delas é que ele seja Arquimedes, que não é famoso apenas por ter falado (ou não) “Eureka!”. Ele também foi um matemático importante e contribuiu muito para conceitos que estudamos até hoje na física, como estática e hidrostática. Outra possibilidade é que este seja Bramante, arquiteto italiano renascentista, que projetou a cúpula da Basília de São Pedro, no Vaticano.

De branco, de frente para Ptolomeu, segurando também um globo, mas este um globo composto por estrelas é um daqueles que também há muitas dúvidas de quem seja. A primeira possibilidade, e a mais provável, é que ele seja Estrabo, historiador, geógrafo e filosofo da Grécia Antiga. Foi autor da vasta obra intitulada “Geografia”, composto por 17 livros que tratava da história de todos os locais e povos conhecidos naquela época.

Outra possibilidade, e esta é a que mais me agrada pessoalmente, é que este seja Zaratustra, profeta persa que fundou a primeira religião monoteísta do mundo, o Zoroastrismo, que se baseava na contemplação dos astros. O fato do personagem estar segurando um globo composto de estrelas aumentam as possibilidades deste ser Zaratustra.

E para terminar com este recorte do afresco, encontramos um dos personagens mais interessantes.

Raphael School of Athens

Presume-se que este seja o próprio Rafael, pintor da Escola de Atenas. Não seria estranho o artista se colocar em uma obra como essa, que reverencia os grandes nomes do ocidente. Esta é uma característica marcante do renascimento, que é a valorização do indivíduo, das capacidades humanas. Podemos ver a semelhança deste personagem com o auto-retrato de Rafael:

Raphael

A semelhança é clara e podemos notar que o artista nos dois quadros estão na mesma posição, invertendo apenas o lado da pose.

Mas como esse afresco é composto por dúvidas, também há suspeitas que este representado na Escola de Atenas não seja Rafael, mas sim Apeles, famoso pintor da Grécia Antiga.

Este artista está cercado por mistérios, já que há registros da sua existência apenas nas obras de Plínio, que coloca que foi Apeles quem pintou um dos retratos de Alexandre, o Grande para as Olimpíadas que ocorreram entre 332 a 329 a. C. É bem provável que não seja Apeles na obra, mas esta é mais uma possibilidade.

Plotinus School of Athens

Acima do grupo está um ancião de vermelho. Este talvez seja Plotino, um dos principais filósofos da tradição neoplatônica e é considerado um dos principais pensadores da Grécia. Morreu no ano de 270 com diversas obras notáveis que compunham suas ideias sobre os três princípios da existência: O Um, o Intelecto e a Alma.

Esta ideia foi a principal influência de diversas religiões, como o judaísmo, o islamismo, o cristianismo e outras crenças pagãs. Além disso, esta talvez seja uma das principais contribuições para um dos principais campos da filosofia: a metafísica.

Aproximando-se do centro da Escola de Atenas, encontramos um homem deitado nas escadarias, usando vestes azuis e aparentemente lendo algo.

Diogenes School of Athens

Este é Diógenes de Sinope, também conhecido como Diógenes, o Cínico. Por ser um dos poucos personagens a estar com vestes que não cobrem todo o corpo, as suspeitas que este homem seja de fato Diógenes é alta. O filósofo grego é famoso por ter feito da pobreza uma virtude, vivendo como mendigo em Atenas e morando em um grande barril (não estamos falando do Chaves aqui). Buscou por toda a sua vida o ideal cínico da autossuficiência, que era uma vida natural e que não dependesse das “luxúrias” e das corrupções do mundo civilizado.

O centro da Escola de Atenas

Chegando finalmente ao centro da Escola de Atenas, encontramos os principais filósofos da Grécia. Já suspeitam quem seja esses dois homens? Como havia prometido, deixei o melhor para o final:

Plato Aristotle School of Athens

Aparentemente muitos estão escutando esses dois homens, talvez seja porque o da direita é Aristóteles e o da esquerda é Platão. Vamos começar para um detalhe que é pouco visível da sala onde está localizado a Escola de Atenas no Vaticano. São os livros que cada um dos filósofos carrega.

Platão está com um livro chamado “Timeu”, um dos principais diálogos do filósofo. Os personagens deste diálogo são: Sócrates, Timeu de Locros, Hermócrates e Crítias. Nele é tratado sobre a relação entre a natureza do mundo físico e os seres humanos. Timeu faz comparações entre o mundo físico e o mundo eterno, mostrando que o primeiro acaba e é percebido pela irracionalidade e o segundo é o que dura para sempre e é percebido pela razão.

O livro que Aristóteles carrega é “Ética a Nicômaco”, talvez a principal obra do filosofo. Como o próprio título diz, esta obra trata sobre a ética e sobre a racionalidade prática. Também é apresentado a sua concepção teleológica, ou seja, que tudo que fazemos deve cumprir com um fim, com um objetivo. A ética é a que determina o objetivo máximo, que é a felicidade, que para Aristóteles é uma vida virtuosa.

Essas duas obras dizem muito sobre a filosofia desses dois gregos e também sobre os gestos que cada um está fazendo. Platão está apontando para cima, o que representaria o mundo das ideias. Para este filosofo, o mundo real e o mundo racional é o mundo das ideias, que está acima dos homens. O homem só conseguiria percebe-lo caso se dedicasse a uma racionalidade profunda.

Aristóteles gesticula para baixo, mostrando com a mão que o importante é a vida terrena, o que fazemos em vida para nos dedicar a eudaimonia, ou a felicidade suprema, que é uma vida que não é sinônimo de vida cheia de prazeres, riquezas ou honras, mas sim uma que a virtude seja a principal característica.

A diferença entre esses dois filósofos também é representada em suas vestimentas. Platão está descalço e com roupas mais simples. Já Aristóteles está com sandálias e vestes com detalhes em ouro.

School of Athens Division

O quadro evidentemente é dividido em dois e é Platão e Aristóteles que são o centro desta divisão. E a posição de cada personagem no afresco respeita estes dois lados. Se pegarmos por exemplo Sócrates, que está de verde no lado esquerdo da pintura, percebemos que ele está no lado de Platão. Como já vimos, isso parece ser óbvio, já que Platão foi o principal discípulo de Sócrates.

Além disso, esta é uma divisão de escolas filosóficas. Platão argumenta um senso de atemporalidade, enquanto Aristóteles olha para a fisicalidade da vida e do presente reino. Ou seja, Platão representa a filosofia teórica e abstrata, enquanto que Aristóteles representa a filosofia natural e empírica.

Como sempre, há quem diz que o homem que identificamos como Platão também possa ser Leonardo da Vinci, por causa da semelhança de fisionomia entre os dois homens.

Dúvidas

A Escola de Atenas é permeada de dúvidas sobre quem são esses personagens, por mais evidente que alguns deles sejam. Porém, a ideia de Rafael era justamente esta.

Esta obra é uma homenagem ao passado, mas também é uma maneira de se conectar ao presente da época. O renascimento era sobre isso, uma constante vinculação entre o clássico e o moderno. Por isso, a aparência de vários dos personagens antigos é semelhante com a de personalidades do período renascentista. Esta era uma maneira de apresentar como o tempo não é divisível, mas sim uma constante entre o ontem e o hoje.

Filosofia e Arte

A filosofia e a arte são duas sabedorias humanas que impressionam e que conseguem comunicar com nós mesmos. Sabemos que os homens do passado eram artistas e filósofos, conseguiam executar diversas técnicas, refletir sobre diversos temas. Por mais que a união entre filosofia e arte seja evidente na Escola de Atenas, muito ainda temos que aprender sobre esta obra.

Por outro lado, a vantagem que temos é que muito pode ser extraído dela e que graças a uma pintura conseguimos aprender muito sobre o passado e sobre a época que o afresco foi produzido.

Obras que possuem esta capacidade de irem além do seu tempo são as que vão mais falar sobre quem é e o que foi o ser humano. Tentar tirar algo sobre nós mesmos é um dos principais objetivos da filosofia e da arte. Por isso, deixo para o final a Escola de Atenas, para que você possa observar ele mais uma vez, mas agora sabendo cada representação.

The School of Athens Photo
Reprodução

1 COMMENT

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here